Bomba!!! Titara, empresa do Grupo Queiroz Galvão, que teve executivos presos na Lava-Jato, vai gerenciar Tratamento de Lixo em São José de Ribamar

Titara é uma das empresas do Grupo Queiroz Galvão, que teve executivos presos na Operação Lava Jato.

A Titara, empresa do Grupo Queiroz Galvão, que teve seu ex-presidente e diretores presos pela Policia Federal em duas  fases da Operação Lava Jato, vai receber cerca de R$ 2 milhões e 400 mil reais para executar o tratamento do lixo coletado em São José de Ribamar. O resultado da licitação foi publicado no Diário Oficial do Município, nesta terça-feira, 04.

Agentes da Policia Federal com malotes apreendidos durante 33ª fase da Operação Lava Jato

Os executivos do Grupo Queiroz Galvão, foram presos na sétima fase da Operação Lava-Jato, em 2014, e novamente na 33ª fase, batizada de “Resta Um”, a operação visava obter provas adicionais de supostos crimes de organização criminosa, cartel, fraudes licitatórias, corrupção e lavagem de dinheiro, relacionados a contratos firmados pela Queiroz Galvão.

A empresa Titara, que tenta ocultar o nome do Grupo Queiroz Galvão, chega em São José de Ribamar com a marca da Operação Lava Jato impregnado ao histórico do Grupo Queiroz Galvão.

Veja histórico de prisões de ex-executivos do Grupo Queiroz Galvão aqui.

Alô Ministério Público: Em Ribamar, Banda é contratada para se apresentar dez vezes durante festejo, mas só se apresenta uma única noite.

Contrato previa 10 apresentações da Banda Os Iguais, durante Festejo que aconteceu do dia 09 ao dia 18.

O contrato relevado com exclusividade pelo blog do Jamys Gualhardo tornou-se um dos assuntos mais comentados nas redes sociais no município de São José de Ribamar. Segundo revelou o blogueiro, o estranho contrato da Prefeitura de São José de Ribamar, estipulava dez apresentações da banda Os Iguais, durante dez dias do Festejo de Santo Antonio, realizado no Parque Vitória.

O blogueiro, morador da região, estranhou porque compareceu à todas as noites do festejo, e em apenas uma noite, aconteceu a apresentação de uma banda musical.

“Estava olhando o Diário Oficial do Município em busca do edital do seletivo dos professores, quando vi o contrato do festejo de Santo Antonio, aí vi que tinha coisa errada.” Revelou Jamys.

Pela publicação do Diário Oficial, a prefeitura pagou R$ 20 mil por 10 apresentações da Banda os Iguais, porém, segundo apurou a reportagem, uma banda substituta, por nome Parceiros do Arrocha, se apresentou uma única vez, na sexta-feira, 16.

O caso levantou a suspeita de irregularidade, uma vez que o contrato, com dispensa de licitação, tinha como objeto dez apresentações da banda, e pela legislação qualquer outro serviço oferecido no lugar daquele estabelecido em contrato pode constituir ato de improbidade e possível desvio de recurso ou finalidade.

Nas redes sociais, um servidor da Assessoria de Comunicação, assumiu a defesa, e acabou piorando ainda mais a situação do Secretário de Cultura.

“Festejo de Santo Antonio: Mata Grande de 01 à 13 de junho, sonorização em todos os dias do evento, Parque Vitoria de 06 a 18 de junho, banda com estrutura de palco e som”. Tentou explicar o servidor Davi Silva.

Bem explicado, mas com suspeita de ilegalidade, já que o contrato previa dez apresentações da banda, em festejo, durante o período de 09 a 18, contrariando todas as informações dadas pelo servidor da Assessoria de Comunicação da Prefeitura.

O caso gerou muita revolta e despertou a atenção de alguns vereadores, que prometeram trazer o assunto para a Sessão que deve acontecer na próxima quinta-feira (22).

Contratos Iguais, valores Iguais, banda Os Iguais

Programação do São João da Prefeitura de São José de Ribamar mostra conflito nas datas dos contratos.

A Banda Os Iguais também faturou outro contrato, no valor de R$ 20 mil reais, para se apresentar cinco vezes durante o São João ( veja a publicação no Diário Oficial aqui ), o que já aconteceu uma vez no dia 17, quando a Banda Parceiros do Arrocha substituiu a Banda Os Iguais na apresentação do Arraial de Panaquatira.

Banda Parceiros do Arrocha convida o publico para show no Arraial de Panaquatira, que tinha Os Iguais na programação.

Estranhamente, nesse mesmo dia, segundo o contrato que previa dez apresentações para o festejo de Santo Antonio, que aconteceu de 09 à 18, a Banda deveria ter se apresentado no Parque Vitória, mas nesse dia, se apresentou apenas no Arraial de Panaquatira.

De acordo com integrantes da Banda Parceiros do Arrocha, a banda é formada por ex-integrantes dos Iguais, e são uma coisa só, sendo diferente só o cachê da banda, que custa cerca de R$600, bem menos do que o faturado no contrato entre Os Iguais e a Prefeitura.

O Ministério Público precisa investigar.

Exclusivo: Veja as bandas que irão animar o São João Ribamarense.

A pedido de Dutra, a Secretária de Cultura de Paço cantará seu repertório de bolero no São João Ribamarense.

O blog Ribamais traz com exclusividade, a relação das Bandas que animarão o São João de São José de Ribamar e os cachês pagos pela Prefeitura Municipal. No total, 28 bandas animarão os arraiais.

A maioria das bandas são completamente desconhecidas do publico ribamanrense, mas algumas curiosidades vão emblemar este São João.

A primeira é a presença da Secretária de Cultura de Paço do Lumiar, a cantora de Bolero Eugênia Miranda, que entrou na relação de artistas que cantarão no período junino a pedido do prefeito de Paço do Lumiar, Domingos Dutra, fã de carteirinha da rainha do bolero, e que pediu pessoalmente ao prefeito de São José de R\ibamar, Luís Fernando (PSDB), a presença da musa do bolero.

Outra curiosidade é o nosso popular Rainaldinho, que este ano receberá o maior cachê do São João pago pela prefeitura, porém, vai ser cantor mais tocado nos arraiais.  No total, Reinaldinho vai receber R$ 32 mil reais, porém, terá que cantar todos os dias, num total de 13 apresentações.

Sem absolutamente nenhuma atração de expressão estadual, o São João deste ano deve ser um dos mais tímido da historia do município.

Confira abaixo, o nome das 27 bandas que se apresentarão em São José de Ribamar, e no diário oficial você poderá obter mais informações sobre os Bois e Danças que irão se apresentar durante o período junino ( veja o diário oficial aqui )

Banda Dá Um Rolê – R$ 15 mil, por três apresentações

Banda Vadiê – R$ 20 mil , por quatro apresentações

Banda Dois Corações – R$ 16 mil, por quatro apresentações

Banda Regional Fênix – R$ 28 mil, por quatro apresentações

Grupo Cobra – R$ 20 mil, por oito apresentações

Puxa o Fole – R$ 20 mil, por quatro apresentações

Reinaldinho e Banda – R$ 32 mil e quinhetos, por 13 apresentações

Grupo Samba de Boa – R$ 24 mil, por quatro apresentações

Banda Xamego Sensual – R$ 12 mil e quinhentos, por cinco apresentações

Banda Os Iguais – R$ 20 Mil, por cinco apresentações

Banda As Rupnéias – R$ 16 mil, por quatro apresentações

Leiliana Frazão e Banda – R$ 20 mil por quatro apresentações

Inês Maranhão e Banda – R$ 7 mil e duzentos por duas apresentações

Forró Chá de Catoaba – R$ 6 mil por três apresentações

Trio Cheiro da Terra – R$ 3 mil por duas apresentações

Débora dos Teclados – R$ 2 mil por uma apresentação

Eugênia Miranda – R$ 7 mil por duas apresentações

Banda Scorpions – R$ 7 mil e duzentos por duas apresentações

Banda Swing Novo – R$ 5 mil por duas apresentações

Trio Forró Pegado – R$ 3 mil por duas apresentações

Banda Novas Emoções – R$ 7 mil e quinhentos por três apresentações

Forró Bom Demais – R$ 3 mil por duas apresentações

Kambada do Forró – R$ 3 mil por duas apresentações

Banda Eskema de Playboy – R$ 4 mil por duas apresentações

Trio Pé na Estrada – R$ 3 mil por duas apresentações

Banda Daniel Lima – R$ 10 mil por quatro apresentações

Seu Raimundinho e Forró Pé no Chão – R$ 3 mil por duas apresentações

Evandro dos Teclados – R$ 3 mil por 3 apresentações

Conheça a “Lei do Cão” que proíbe vendas de mercadorias nas proximidades do Cais; realização de pesca esportiva e prevê até detenção.

Por determinação do prefeito de São José de Ribamar, Luís Fernando Moura da Silva (PSDB), o Secretário de Cultura assinou a portaria que ficou conhecida no município como Lei do Cão.

No documento, Luís Fernando instituiu uma verdadeira perseguição aos trabalhadores e pais de famílias, além do afronto aos costumes pesqueiros dos ribamarenses e da cultura do banho na área conhecida como T, no ponto final do Cais.

“Isso só pode ser uma piada de péssimo gosto desse prefeito. Eu sempre pesquei no finalzinho da tarde no Cais, agora ele tá dizendo que se eu pescar eu vou ser preso, é isso?” Questionou o senhor José de Ribamar, pescador aposentado.

Já para o jovem Daniel Afonso, o prefeito deve ter vergonha dos costumes simples da cidade, pois proíbe tudo que sempre fez parte dos ribamarenses.

“Todo jovem ribamarense já pulou alguma vez na vida do Cais, isso é nossa vida, é nossa história. Pra um prefeito proibir nossa gente de ser como somos, só existem duas explicações, ou ele não sabe o que é ser ribamarense, ou ele tem vergonha da nossa gente.” Lametou Daniel

Dentre as medidas truculentas, o prefeito autorizou advertência verbal, revista pessoal, intercepção, apreensão de mercadorias, detenção e encaminhamento para delegacia.

No domingo (21), O jornalista Gilberto Lima divulgou um vídeo denunciando a perseguição aos trabalhadores ribamarenses, e nós publicamos reportagem a respeito do clima de decepção e perseguição vividos no Cais. Agora, o blog Ribamais divulga com exclusividade a Portaria que institui a Lei do Cão em São José de  Ribamar.

A portaria prevê até detenção para quem pescar na área do Cais, comercializar mercadoria ou simplesmente, realizar o tradicional salto no mar.

Ferrando com a educação: Alunos e professores denunciam caos na educação de São José de Ribamar

Do dia 01 de janeiro até a presente data, o prefeito Luís Fernando já recebeu mais de R$ 28 milhões do Fundeb – Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação –  para serem usados exclusivamente na Educação.

Lixo e esgoto ao lado de alunos virou marca registrada.

Alunos e professores da rede municipal de ensino do município de São José de Ribamar reclamam do caos instalado no município. De acordo com denúncia, desde o dia 01 de janeiro o prefeito Luís Fernando Moura da Silva (PSDB) mandou fechar 30 laboratórios de informática.

Segundo algumas diretoras que preferiram não se identificar com medo de perseguição, os laboratórios funcionavam normalmente e eram aprovados pelos alunos e pais dos alunos.

“O funcionário da Secretaria de Educação que veio lacrar o laboratório disse que era ordem do prefeito, pois ele não queria nenhum projeto da administração passada fazendo sucesso na gestão dele. Mandou fechar e disse que em breve irá reinaugurar com o nome que ele escolher, mas o problema é que por causa de divergência política, o prefeito tá prejudicando milhares de crianças, isso é um absurdo”. Disse uma diretora.

Na Escola do Miritiua, alunos reclamam que todos os dias são obrigados a conviver com esgoto estourado e muito lixo na porta, um verdadeiro desrespeito com os alunos.

Já os professores da rede municipal acumulam uma longa lista de reclamação, entre elas, a obrigação de aulas aos sábados.

“Assim que foi eleito, ele promoveu uma reunião com professores e o sindicato, e disse que era contra professor trabalhar aos sábados, até porque não é dia letivo e os professores excedem sua carga horária semanal, além do número de alunos que comparecem as aulas ser mínimo, entretanto, as aulas aos sábados foram incluídas no calendário letivo sem nenhuma negociação com os professores.” Queixou-se uma professora.

Outra reclamação é o programa Mais Educação, que em várias escolas serve apenas para garantir uma renda a mais aos familiares de diretores.

“O programa perdeu o sentido em muitas escolas. Sem nenhuma fiscalização séria, diretoras apresentam notas fiscais para justificar o gasto do recurso do Mais Educação. Pode visitar as escolas que você vai ver vinculo familiar de todos os prestadores de serviço com as diretoras. Pessoas sem nenhuma capacidade pedagógica, colocando em risco o aprendizado das crianças.” Denunciou a professora.

Fechamento de laboratórios, falta de infraestrutura e limpeza de escolas, desvalorização salarial, mudança do calendário de pagamento e até falta de professores integram a longa lista do caos que se instalou na educação do município.

Durante Planeja Educação, Luís Fernando teria prometido um mar de rosas.

“O mais engraçado é que ano passado o prefeito convidou a gente para um tal de Planeja Educação, lá, do jeito que ele falou, quando ele fosse prefeito novamente, tudo seria um mar de rosas, o que estamos vendo agora é um mar de espinhos.” concluiu a professora.

ENVIE SUAS DENUNCIAS PARA: 989 88330389 (WhatsApp Ribamais) (seu nome será mantido em sigilo)

Luís Fernando proíbe venda de bebidas alcoólicas no Parque da Campina.

A redação do RIBAMAIS obteve acesso com exclusividade ao despacho onde determina a proibição da venda de bebidas alcoólicas nos quiosques do Parque da Campina, e determina ainda a apreensão das bebidas caso sejam encontradas.

Os quiosques da campina são famosos pelas pessoas que gostam da boa e velha cerveja bem gelada, além de ser ponto de encontro dos amantes dos clássicos de futebol. Mas tudo isso tem data pra acabar, e é imediatamente, de acordo com a determinação do Prefeito Luis Fernando Moura da Silva(PSDB).

Os proprietários estão revoltados, “é daqui que tiro o sustento de minha família, eles deveriam incentivar o comércio, e não tirar o pão da boca dos ribamarenses, nosso povo está sendo perseguido”, declarou um dos proprietários ao Ribamais, referindo-se também aos vendedores de peixe e camarão que foram proibidos.

No início de janeiro a administração municipal proibiu o comércio de peixes e camarão na região conhecida como Boi Gordo.

Em fevereiro o prefeito determinou a destruição de dezenas de barracas e quiosques na região do Parque Vitória.

A venda de bebida é a atividade principal dos proprietários de quiosques da Campina.

“O prefeito tá ferrando com os trabalhadores.” Resumiu um comerciante.

Odebrecht Ambiental levará atendimento móvel para o Parque Vitória.

Famílias poderão se cadastrar na Tarifa Social, o desconto é efetivado na primeira faixa de consumo, isto é, famílias que consomem até 10 m³ por mês, o equivalente a 10 mil litros de água. Com o benefício, a conta mensal nesta faixa mínima custa R$ 16,20, nos casos em que há apenas a ligação de água, ou R$ 32,40 para os imóveis atendidos com os serviços de água e esgoto.

Atendimento móvel estará na Praça do Rodão, no Parque Vitória, entre os dias 10 e 13 de abril.

Entre os dias 10 e 13 deste mês a população dos bairros do Parque Vitória, Terra Livre e Canudos contará com o atendimento especial da Odebrecht Ambiental, a van de atendimento móvel da concessionária estará no local oferecendo diversos serviços como emissão de 2ª via, mudança de titularidade, alteração de data de vencimento, parcelamento e negociação de débitos, entre outros.

A iniciativa tem como objetivo facilitar o acesso dos clientes aos canais de atendimento da Concessionária, promovendo um mutirão de prestação de serviços no bairro, como afirma Adriano Pavezi, gerente Comercial e de Atendimento ao Cliente da Concessionária.

“Através do atendimento móvel os clientes podem solicitar serviços, tirar dúvidas e negociar débitos sem sair do seu bairro. Nossos agentes comerciais estarão a postos para resolver problemas e executar ordens de serviço com mais agilidade. Estamos de fato trazendo a concessionária para perto dos clientes”, afirma Pavezi.

A van adaptada estará localizada na Praça do Rodão, no Parque Vitória. E atenderá os clientes residentes na região das 9h às 17h.

Os clientes também podem aproveitar o atendimento móvel para realizar o cadastro na Tarifa Residencial Popular, categoria que concede desconto na fatura de água e esgoto às famílias de baixa renda. O desconto é efetivado na primeira faixa de consumo, isto é, famílias que consomem até 10 m³ por mês, o equivalente a 10 mil litros de água.

Para ter direito ao benefício devem ser atendidos os critérios sociais estabelecidos pela Câmara de Regulação do Consórcio Intermunicipal Pró Cidade, bem como procurar a Odebrecht Ambiental para se cadastrar.

Mais de 6 mil famílias já são atendidas na Tarifa Social dos dois municípios e o objetivo da concessionária é ampliar esse número ao longo de 2017, como explica Pavezi. “O benefício voltado exclusivamente às famílias carentes, por isso é fundamental que os moradores procurem o atendimento móvel para conhecer os critérios e realizar a inscrição”, orienta.

Conheça os critérios da Tarifa Residencial Popular:

1- Ser cadastrado na categoria residencial;

2- Comprovar ser beneficiário de algum Programa de Proteção Social do Governo Federal, tais como Bolsa Família, Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Cartão Alimentação e Auxílio Gás ou possuir uma renda familiar mensal por pessoa de até meio salário mínimo;

3- Tenha ligação cadastrada com apenas 01 (uma) economia, com área construída menor ou igual a 40 m²;

4- Tenha comprovado, através de seu histórico de consumo médio de energia elétrica nos últimos 12 (doze) meses, consumo igual ou inferior a 80 kWh, possuindo padrão de energia monofásico;

5- Não possua fonte alternativa de abastecimento, tendo como fonte exclusiva de abastecimento água da Concessionária.

Caos: Lama e falta de médicos. Saúde de São José de Ribamar pede socorro.

Na UBS do Parque Vitória, que funcionavam à todo vapor, o prefeito demitiu enfermeiras e médicos, e segundo denuncia, colocou alunos para fazer atendimento dos paciências. Já na UBS da Mata, lama toma conta do local, segundo a funcionária, é a primeira vez que isso acontece.

UBS da Mata durante últimas chuvas. Pacientes são atendidos no meio da lama.

Na semana em que o prefeito Luís Fernando mandou espalhar reportagens afirmando que a saúde era prioridade, e que estava tudo um mar de Rosas (leia as mentiras publicadas em blogs de São Luís, aqui.), denuncias de moradores desmascaram a mentira divulgada. O Blog Ribamais publica com exclusividade, no Dia Mundial da Saúde, a verdadeira realidade da Saúde no município.

Na UBS do bairro da Mata, um funcionário filmou como o prédio ficou durante uma forte chuva. Dá prá ver no vídeo, os pacientes ilhados em suas cadeiras, enquanto em outra sala, uma suposta enfermeira fica com os pés suspensos, evitando contato com a lama que invadiu o prédio, danificando e contaminando equipamentos e documentos.

O caso aconteceu no dia 21 de março, e o vídeo foi enviado à redação do Blog Ribamais por um Guarda Municipal. Na gravação, a funcionária se mostra espantada e preocupada.

“Não mexe em nada aí, o que é? Tá molhando coisa que não pode molhar. Pega aqui o celular, vai gravando, vai gravando! Bora pro banheiro que é o único lugar que não tá alagado. Agora o bicho pega! Agora o bicho pega! Vou mandar é agora pro face. Meu Deus, eu nunca tinha visto isso.” Disse a funcionária completamente assustada enquanto gravava.

Enquanto pacientes e funcionários da UBS da Mata sofrem com lama e descaso, do outro lado do município, na Unidade Básica de Saúde do Parque Vitória, pacientes fazem denuncias gravíssimas de como se encontra o Posto de Saúde do bairro.

“Eu fui me consultar agora, o médico pediu demissão, uma professora dando orientação como se fosse enfermeira, e quem está entregando os medicamentos é um policial (lê-se Guarda Municipal), queremos médico no Posto do Parque Vitoria.” Denunciou Cleudimar Allen, em um grupo de whatsApp do Bairro.

Já Noah, que também é membro do mesmo grupo de whatsApp, fez denúncia mais grave, alertando para erros cometidos por estudantes que estão substituindo médicos e enfermeiros.

 “Só tem estudante do Ceuma, outro dia fui tomar uma vacina e me passaram duas doses, sendo que eram pra ser cinco. Quando fui tomar a segunda, nem tinha no Posto. Tive que ir no Posto próximo à Reserva ( Posto de Saúde de São Luís ), e lá, a enfermeira viu que tava a dosagem errada.” Disse Noah.

Aliados políticos do Prefeito Luís Fernando Moura da Silva (PSDB), demonstraram decepção com o Caos criado nos três meses de gestão.

“O Prefeito Luís Fernando já está fazendo vergonha a nós, que estava pedindo voto pra ele, dizendo que ia ser um bom prefeito para nossa região, e agora é uma decepção.“ Disse o aliado e ex-candidato a vereador Roseno.

O irmão do subprefeito da Região do Parque Vitória, que também faz parte do grupo político de Luís Fernando, questionou a ausência do Prefeito no local. “Não lembro que essa administração visitou essa UBS nesses noventa dias de gestão.” Alfinetou o ex-candidato a vereador Michel, do mesmo partido do Prefeito.

E assim, no dia Mundial da Saúde, as duas UBS encontram-se abandonadas. Uma na lama, a outra sem profissionais, nesse triste caos da saúde ribamarense.

Três bandas locais animam o sábado de Lava Pratos em São José de Ribamar

O município de São José de Ribamar, de maneira tímida, realizará neste sábado (04) e domingo (05), a 71ª edição do Lava Pratos. O evento que já se tornou tradicional, e já atraiu mais de 100 mil pessoas, esse ano, pela falta de segurança e sem atrações de expressão estadual, deve atrair o menor público dos últimos 10 anos.

Apenas com recursos do Governo do Estado, o que foi visível nas propagandas espalhadas pelos circuitos durante o carnaval, e sem a participação da segurança privada, a edição desse ano deve acontecer apenas para manter a tradição, como avaliou um folião.

“Gosto muito das bandas locais, mas essas a gente vê o ano inteiro. Meus amigos de São Luís e até de Bacabeira que sempre vinham nesse período de Lava Pratos já me ligaram pra dizer que esse ano não vão comparecer ao evento. Acredito que isso deve afetar a economia local, que sempre contou com esse grande público.” Avaliou Elias Mayron.

De acordo com a Prefeitura de São José de Ribamar, o Governo do Estado também garantirá, com recurso próprio, a apresentações de blocos de São Luis para tentar atrair público para São José de Ribamar.

Segurança

No quesito segurança, após o lamentável episódio no carnaval da Matinha, onde apenas quatro homens da Guarda Municipal faziam a segurança do evento que atraiu mais de 10 mil pessoas, e dois Guardas foram brutalmente espancados durante uma confusão, o secretário municipal Coronel Araújo promete reforço pro Lava Pratos. Do outro lado, como forma de repúdio ao ocorrido, membros da Guarda Municipal prometem cruzar os braços durante o Lava Pratos.

Saúde

Postos de atendimento da saúde, hospitais e ambulâncias do SAMU estarão de plantão além de profissionais da saúde atuarão na distribuição de preservativos e campanhas educativas de prevenção contra doenças sexualmente transmissíveis.

Programação

No sábado (04), o agito tem início às 21h, com os shows do grupo N’Gandaya; banda Da 1 Rollé; e banda Energia.

No domingo (05), a programação tem início mais cedo, às 13h30, com Samba de Boa; Leiliane Frazão e Banda; Banda Regional Fenix; MC Afonso Twister; Bicho Terra, Pepê Júnior, Gargamel e Os Smurfes.

Luís Fernando nomeia Professor Milton subprefeito da região do Parque Vitória.

Acabou o mistério envolvendo o cargo de administrador regional dos bairros que completam a região do Parque Vitória. Disputado pelos ex-candidatos a vereador da região, o cargo envolvia mais do que a bagatela de R$ 6 mil por mês, valor do salário da categoria ISO2, era uma questão de honra, já que tradicionalmente, os ex-candidatos a vereador travam uma disputa de egos entre si.

Luís Fernando deu um ponto final ao assunto, nomeando  o também ex-candidato a vereador, mas de eleições passadas, o líder comunitário Professor Milton.

De acordo com fontes próximas ao novo subprefeito, com a nomeação, Luís Fernando cumpre uma divida antiga com Milton, que já durava 10 anos.

Agora, o prefeito de São José de Ribamar deverá lidar com um novo problema, a ciumeira dos ex-candidatos, que tradicionalmente defendem o nome do prefeito com unhas e dentes e tinham como certa a nomeação para o cargo.